Bruxelas define regras para proteger dados pessoais em inteligência artificial

Publicado em
image

O Comitê Europeu para a Proteção de Dados avisa que “o uso de dados biométricos e, em particular, o reconhecimento facial acarreta riscos” para a privacidade dos utilizadores.

A Comissão Europeia vai definir “em breve” regras para a inteligência artificial na União Europeia (UE), visando uma “abordagem coordenada” entre os Estados-membros e que tenha em conta a proteção dos dados dos cidadãos, informou fonte comunitária.

“Com base no trabalho realizado nos últimos anos, a Comissão apresentará em breve um plano para uma abordagem europeia coordenada da inteligência artificial, conforme anunciado pela presidente [do executivo comunitário, Ursula von der Leyen] nas suas orientações políticas”, indica fonte oficial desta instituição europeia em resposta escrita enviada à agência Lusa.

De acordo com a mesma fonte, o objetivo das novas regras é fomentar “avanços científicos, preservar a liderança das empresas da UE, melhorar a vida de todos os cidadãos europeus e ainda facilitar o diagnóstico e os cuidados de saúde e aumentar a eficiência na agricultura”.

Ainda assim, a salvaguarda dos dados dos cidadãos será uma matéria que a Comissão de Ursula von der Leyen terá de acautelar, nomeadamente no âmbito do Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados, criado em maio de 2018 e que regula a privacidade e o uso destas informações pessoais dentro da UE.

No documento com as orientações políticas do seu executivo comunitário, que tomou posse a 1 de dezembro, Von der Leyen comprometeu-se a, nos seus primeiros cem dias no cargo, apresentar esta “legislação para uma abordagem europeia coordenada sobre as consequências éticas e para os humanos da inteligência artificial”, no âmbito da prioridade que designou como “Europa adequada à era digital”.

No mesmo texto, a responsável notou que “os dados e a inteligência artificial são os ingredientes da inovação”.

Porém, “para usufruir desse potencial, precisamos de encontrar um caminho europeu, equilibrando o fluxo e a elevada utilização dos dados e preservando altos padrões de privacidade, proteção, segurança e ética”, destacou.

O Comité Europeu para a Proteção de Dados (CEPD), um organismo europeu independente que contribui para a aplicação das regras sobre esta matéria na UE, tem vindo a acompanhar o processamento das informações pessoais em equipamentos inteligentes.

Em julho de 2019, esta entidade – que aconselha a Comissão Europeia sobre legislação em preparação – lançou inclusive uma consulta pública relativa à utilização de dados em dispositivos de vídeo, alertando para problemas no reconhecimento facial em equipamentos como telemóveis.

No documento publicado no seu site e consultado pela Lusa, CEPD avisa que “o uso de dados biométricos e, em particular, o reconhecimento facial acarreta riscos” para a privacidade dos utilizadores.

Por isso, para este organismo consultivo, “é crucial que o recurso a essas tecnologias ocorra com o devido respeito aos princípios de legalidade, necessidade, proporcionalidade e minimização da [transmissão de] dados, conforme estabelecido no Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados”.

“Enquanto o uso dessas tecnologias possa ser visto como particularmente eficaz, os utilizadores devem, em primeiro lugar, avaliar o seu impacto nos direitos e liberdades fundamentais e considerar meios menos intrusivos”, alerta ainda o CEPD.

A Comissão deverá ter em conta estes alertas na nova legislação sobre sistemas inteligentes, que visa ainda mais investimentos em inteligência artificial na UE, tanto através do orçamento comunitário a longo prazo, como de parcerias público-privadas (PPP).

A inteligência artificial é um avanço tecnológico que permite que os sistemas funcionem de forma autónoma, executando ordens específicas baseadas em padrões estabelecidos por um banco de dados.

FONTE: //www.tsf.pt/mundo/bruxelas-define-regras-para-proteger-dados-pessoais-em-inteligencia-artificial-11720969.html

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
_113967234_hi031081850

Em resposta ao ChatGPT, Google planeja lançar 20 projetos de inteligência artificial em 2023

A empresa queria ir devagar, mas a ameaça externa da OpenAI acelerou o planos
Captura de tela 2023-01-27 094937

Cinco tendências de tech e ESG apresentadas em Davos

Diversidade e inclusão foram alguns dos principais destaques do relatório sobre o cenário atual do mercado global de tecnologia, lançado durante o Fórum Econômico Mundial
Captura de tela 2023-01-27 094517

“Não há falta de dinheiro para startups”, diz cofundador da Liga Ventures

Guilherme Massa explica que os desafios têm relação com um tempo maior de decisão dos investidores baseado no momento econômico e na busca por retorno
Face recognition AR hologram screen  smart technology

O chat GPT: o que o novo oráculo de delfos tem a dizer aos advogados?

O grande diferencial da ferramenta, como toda ferramenta tecnológica inovadora, será no modo como é utilizada para extrair os benefícios da mesma.
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.