Brasileiros criam “YouTube descentralizado” com ajuda do blockchain

Publicado em
Captura de Tela 2017-12-19 às 01.04.07

Ganhar dinheiro com vídeos no YouTube não é tão simples (ou lucrativo) quanto parece. Os produtores de conteúdo dividem os ganhos com a plataforma do Google. Um player de vídeos em que não houvesse barreira entre criador e usuário poderia ser a solução para tal problema — além de dar mais liberdade para quem posta o conteúdo. É isso que defendem os criadores da Paratii, uma espécie de “YouTube descentralizado”. Trata-se de uma plataforma de distribuição de vídeo baseada na tecnologia blockchain.

Em busca de novas ideias, o gaúcho Felipe Santana, de 23 anos, e o paulistano Paulo Perez, de 33, ambos funcionários da produtora Bossa Nova Group, começaram a pesquisar sobre o blockchain. Quando perceberam o potencial da tecnologia, levaram a ideia para a direção da empresa, que abraçou o projeto. Durante um ano e meio, a startup foi desenvolvida e incubada dentro da própria Bossa Nova.

O objetivo dos fundadores é dar mais poder aos pequenos produtores. “É uma pena que uma atividade tão bonita, como contar histórias, seja subvertida por uma cadeia cheia de interesses e intermediários”, diz Felipe Santana, um dos cofundadores. “Queremos que a Paratii seja o que a TV deveria ter sido e nunca foi: uma maneira de todo mundo consumir história dentro de casa.”

Os vídeos não estarão em um servidor único, mas, graças ao blockchain, distribuídos em uma rede peer-to-peer, como funcionam os torrents de downloads de filmes e séries na internet. Ou seja, cada pessoa que assiste também ajuda na disseminação do conteúdo. Como recompensa, pode resgatar unidades de uma moeda virtual criada pela própria startup, o paratii. “Como não dependemos de servidores, todo mundo que está assistindo ganha, porque está compartilhando pedacinhos desses vídeos”, diz Felipe. A quantidade de paratiis que o espectador vai receber depende de fatores como o horário em que está assistindo, o conteúdo e frequência com que assiste.


Segundo Edu Tibiriçá, CEO da Bossa Nova, a empresa resolveu apoiar o projeto quando enxergou o potencial de aplicação naquela indústria. “Nós queremos empoderar bons contadores de história e democratizar o acesso ao entretenimento. Ele tem um papel de transformação muito forte na sociedade”, afirma.

A empresa não tem fluxo de caixa, já que não há receita advinda de dentro do próprio sistema. A Paratii se manterá por meio de uma fundação sem fins lucrativos, que detém uma porcentagem das moedas a serem emitidas pela rede. Se essa moeda se valorizar, a companhia ganha os recursos necessários para seguir operando. Além disso, os fundadores estudam outros modelos de arrecadação, como serviços de streaming feito para corporações.

Quando a versão definitiva da plataforma estiver no ar, os criadores de conteúdo poderão escolher se querem deixar os vídeos de seu canal totalmente gratuitos, se colocarão anúncios ou se adotarão o modelo de assinaturas. Os pagamentos seriam feitos em paratiis e, depois, poderiam ser trocados por moedas tradicionais, como o real.

Nesta sexta-feira (08/12), uma versão teste da plataforma já estará disponível. Por enquanto, contará apenas com conteúdo da Bossa Nova — com destaque para o trailer de um documentário chamado “Around the block”, que aborda, veja só, a ascensão do blockchain. Já há, no entanto, uma página para entrar na fila e ser um dos primeiros a subir vídeos com a ferramenta. A intenção dos criadores é lançar a versão definitiva da plataforma entre março e julho do ano que vem.

Fonte https://epocanegocios-globo-com

Por Edson Caldas

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
BGC

Streamers gamers apostam em um novo nicho: eventos proprietários

Brasil movimentará US$ 2,7 bi em negócios relacionados a games em 2022
carreira_profissoesdofuturo_24022021_Marko-Geber_GettyImages-3-768x512

No pain, no gain: tentativa e erro devem fazer parte da cultura das empresas da era digital

Atualmente as empresas procuram desencadear transformações digitais e se beneficiar de infraestruturas escaláveis e ágeis
acordo-online-negociacao-aperto-maos

Plataformas de ODR agilizam conciliação online e facilitam acordos entre as partes

Daniel Marques, diretor executivo da AB2L fala para a Conjur
jus-gif-2

PNUD e Jusbrasil assinam parceria para pesquisas sociais no Brasil

O Jusbrasil assinou uma nova parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no intuito de ampliar as ações relacionadas ao cumprimento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de número 16
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.