Bitcoin é investimento com a maior alta no semestre; Bolsa sobe há quatro meses

Publicado em
Bitcoin é investimento com a maior alta no semestre
Imagem: Pixabay

O bictoin é o ativo que mais se valorizou no primeiro semestre de 2021, de acordo com o buscador de investimentos Yubb, que considera as aplicações mais populares entre brasileiros. A criptomoeda acumulou alta de 19,65% no período, sendo o único ativo do levantamento a superar o IGP-M (Índice Geral de Preços ao Mercado, usado no reajuste dos aluguéis), que sobe 15,08% neste ano.

A disparada de 103% do bitcoin nos três primeiros meses do ano, com a entrada de investidores institucionais, superou a queda de 41,3% no segundo trimestre, com diversas pressões regulatórias sobre o setor. “No primeiro trimestre, o bitcoin vinha de uma alta que havia se iniciado no ano de 2020 e foi quebrando máximas históricas em sequência até atingir o seu pico, na casa dos US$ 63 mil”, diz Vinícius Chagas, analista da Blockchain Academy.

No segundo trimestre, porém, as discussões a respeito do consumo energético de mineração do bitcoin, com destaque para o fim do uso da moeda pela Tesla, e a pressão chinesa em cima dos mineradores e dos reguladores de mercado, levaram a uma realização. “Nem mesmo a grande notícia de que o Bitcoin passa a ter curso legal em El Salvador serviu para retomar o otimismo no mercado”, diz Chagas.

O Ibovespa, por sua vez, é um dos investimentos com a maior rentabilidade no semestre (6,5%) e em junho (0,46%), na quarta alta mensal seguida do índice. “Estamos encerrando o semestre de um jeito bem melhor do que começamos”, diz João Leal, economista da Rio Bravo. A recuperação da queda de 7,5% do índice nos dois primeiros meses do ano foi impulsionada por dados econômicos melhores do que o esperado, como o PIB (Produto Interno Bruto) do primeiro trimestre, que subiu 1,2%, e pelo avanço da vacinação contra o coronavírus.

No início do mês, o Ibovespa estabeleceu um novo recorde nominal (sem contar a inflação), aos 130.776 pontos. Leal também ressalta a relativa tranquilidade em Brasília em comparação a períodos passados. “Tivemos a falta de novos estresses. O governo se manteve mais comedido na parte fiscal e política.” Já o dólar terminou a quarta a R$ 4,9720, alta de 0,60% no pregão. Na máxima, foi a R$ 5,0240. Desde o dia 22 de junho a moeda não era negociada acima de R$ 5.

Em junho, a moeda cedeu 4,8%, rompendo a barreira psicológica dos R$ 5 pela primeira vez em pouco mais de um ano. Este foi o terceiro mês seguido de queda da divisa dos EUA ante o real, que, no semestre, cedeu 4,18%. A desvalorização foi fruto do ciclo de alta de juros no Brasil. A Selic, que estava a 2% no início do ano, foi para 4,25% e o mercado vê a taxa a 6,5% ao fim do ano. Juros mais altos no Brasil tendem a beneficiar o real por estratégias de carry trade. Elas consistem na tomada de empréstimos em moeda de país de juro baixo (como o dólar) e compra de contratos futuros da divisa de juro maior (como o real). O investidor, assim, ganha com a diferença de taxas.

Além disso, a dívida pública em relação ao PIB caiu nos últimos meses, atraindo investidores estrangeiros. Na terceira queda mensal consecutiva, a dívida bruta do governo foi a 84,5% do PIB em maio, segundo o Banco Central. Na Bolsa, há uma entrada líquida de R$ 65 bilhões de investimento estrangeiro este ano, segundo dados da B3 até a segunda (28), o que impulsionou a alta da Bolsa e a queda do dólar. Nos Estados Unidos, o índice S&P 500 subiu 14,4% no primeiro semestre, com cinco meses consecutivos em alta, enquanto o Dow quebrou uma sequência de quatro meses de ganhos e terminou junho em baixa de 0,08%, com ganho de 12,7% no semestre. O Nasdaq também ganhou terreno em junho, subindo 5,5% e no semestre, 12,5%. Todos os três índices registraram o quinto trimestre consecutivo de ganhos, com o S&P subindo 8,2%, o Nasdaq avançando 9,5% e o Dow cravando alta de 4,6%.

Nesta quarta, o S&P 500 registrou nesta quarta sua quinta sessão consecutiva com máximas recordes de fechamento, acumulando ganhos de 2,27% em junho. Neste mês, o apetite do investidor favoreceu ações de crescimento, com um afastamento de papéis sensíveis aos ciclos econômicos. “Os setores líderes até este momento do ano são aqueles que você esperaria: energia, finanças e indústria, e isso reflete um ambiente econômico que está nos estágios iniciais de um ciclo”, disse Robert Pavlik, gestor de portfólios da Dakota Wealth. Ele diz que os investidores começaram a voltar para as ações de crescimento depois que o presidente do Fed (banco central americano), Jerome Powell, voltou a dizer que a pressão inflacionária é transitória.

As altas do índice em junho foram lideradas por Via Varejo (21,65%), Braskem (18,93%) e CVC (15,85%). Na ponta de baixa, os destaques foram Gol (-14,36%), Cielo (13,54%) e RaiaDrogasil(-12,21%). “A recuperação econômica continua a todo vapor no Brasil e no mundo”, afirmou o diretor de investimentos da Reach Capital, Ricardo Campos, acrescentando que isso prejudica o cenário de estímulos fiscais e monetários em abundância. Os últimos pregões do mês ainda refletiram a reação a mudanças tributárias propostas pelo governo brasileiro, incluindo aumento do limite de isenção do IR a pessoas físicas e redução da alíquota sobre empresas, mas taxação de dividendos e o fim do benefício fiscal de juros sobre o capital próprio.

Do ponto de vista do acionista, afirmaram os estrategistas do Itaú BBA Marcelo Sa e Matheus Marques, em relatório encaminhado a clientes nesta semana, a redução dos impostos sobre empresas não seria suficiente para compensar o fim do mecanismo de JCP e a tributação sobre dividendos. Eles acrescentaram, contudo, que este debate é muito complexo e que acreditam que pode haver mudanças significativas no projeto antes de ser colocado em votação. No pregão desta quarta, a maior alta foi do Banco Inter (5,36%), após aprovar pagamento de juros sobre capital próprio e em meio a movimento recente de estrangeiros comprando participações em fintechs brasileiras.

A maior queda foi de B2W (3,80%), com outras varejistas também em queda, após números ainda negativos sobre a recuperação do mercado de trabalho no país. Os preços do petróleo avançaram nesta quarta, em direção a ganhos mensais e trimestrais, após os estoques dos EUA recuarem pela sexta semana consecutiva, e com relatório da Opep prevendo um suprimento insuficiente ao mercado deste ano. O contrato do petróleo Brent (referência internacional) para agosto, que expira nesta quarta, fechou em alta de 0,5%, a US$ 75,13 o barril, subindo mais de 8% em junho. O patamar está abaixo das máximas atingidas em 2018 marcam o sétimo mês de ganhos em oito meses.

Texto original de Júlia Moura, publicado pela Folha

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
BGC

Streamers gamers apostam em um novo nicho: eventos proprietários

Brasil movimentará US$ 2,7 bi em negócios relacionados a games em 2022
carreira_profissoesdofuturo_24022021_Marko-Geber_GettyImages-3-768x512

No pain, no gain: tentativa e erro devem fazer parte da cultura das empresas da era digital

Atualmente as empresas procuram desencadear transformações digitais e se beneficiar de infraestruturas escaláveis e ágeis
acordo-online-negociacao-aperto-maos

Plataformas de ODR agilizam conciliação online e facilitam acordos entre as partes

Daniel Marques, diretor executivo da AB2L fala para a Conjur
jus-gif-2

PNUD e Jusbrasil assinam parceria para pesquisas sociais no Brasil

O Jusbrasil assinou uma nova parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no intuito de ampliar as ações relacionadas ao cumprimento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de número 16
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.