Bancos Centrais terão Bitcoin e Ethereum em 2018, diz CEO da Blockchain

Publicado em
Bancos-Centrais-Terão-Bitcoin-e-Ethereum-em-2018-Diz-CEO-da-Blockchain-696x366

Peter Smith, CEO da Blockchain, a segunda maior carteira de criptomoedas mais amplamente utilizada atrás da Coinbase, afirmou que os bancos centrais começarão a armazenar grandes quantidades de moedas digitais como Bitcoin e Ether, o token nativo da Ethereum.

“Eu acho que este ano será o primeiro ano em que começaremos a ver os bancos centrais começarem a armazenar moedas digitais como parte de seu balanço patrimonial. O Bitcoin já é uma das 30 maiores moedas, e com essa tendência, a pressão para manter a moeda digital como parte das reservas só acelerará à medida que o preço subir”, disse Smith.

Alguns Bancos Centrais já Começaram

Em dezembro de 2017, foi relatado que o governo búlgaro tem mais de US$ 3 bilhões em bitcoin em sua conta, principalmente de fundos apreendidos durante investigações de aplicação da lei e repressão em operadores do mercado negro.

Em maio, as autoridades búlgaras declararam oficialmente que apreenderam 213,519 bitcoins que agora valem mais de US $ 3,2 bilhões, considerando o preço do bitcoin em US $ 15 mil.

Além das apreensões, os bancos centrais do mundo inteiro provavelmente começarão a adquirir grandes somas de bitcoin, Ether e outras criptomoedas principais, porque o mercado de câmbio digital cresceu a uma taxa exponencial ao longo dos últimos anos. O Bitcoin, em particular, alcançou um valor de mercado superior a US$ 300 bilhões, e alguns analistas esperam que continue evoluindo para uma primeira reserva de valor, eventualmente concorrendo contra o mercado de ouro de US$ 8 trilhões.

Além disso, se o bitcoin se tornar uma das moedas de reserva da economia global, visando o mercado bancário offshore de US$ 40 trilhões, o mercado de ouro de US$ 8 trilhões e o mercado de divisas fiat de US$ 50 trilhões, os governos precisarão ter uma boa reserva de criptomoedas.

Por outro lado, alguns dos principais bancos centrais e agências governamentais como os da China, Europa e Reino Unido têm trabalhado na emissão de criptomoedas emitida pelo banco central.

Mas mesmo com centenas de milhões de dólares investidos em pesquisa e desenvolvimento, os bancos centrais nem sequer estão perto de testar criptomoedas apoiadas pelo governo. A falta de progresso no desenvolvimento de criptomoedas apoiadas por bancos centrais é resultado da implementação agressiva de um plano ambicioso que nunca foi realista para começar.

Todo o propósito das criptomoedas e do blockchain é baseado no conceito fundamental de descentralização. Os usuários podem enviar e receber pagamentos, transações e informações em uma base ponto-a-ponto, sem intermediários. A descentralização não interessa aos governos.

No futuro, se os bancos centrais acreditam na tecnologia que suporta o bitcoin ou não seria de menor importância. O investimento e o valor de segurança do bitcoin por si só levariam os governos a adquirir enormes quantidades de criptomoedas, especialmente se eles começassem a mostrar sinais de evoluir para moedas de reserva globais.

Porém, tenha sempre em mente: O Bitcoin não precisa de governo nenhum para dar certo. Ele já deu certo.

 

 

Por Victor Sá

Fonte: https://portaldobitcoin.com/bancos-centrais-terao-bitcoin-e-ethereum-em-2018-diz-ceo-da-blockchain/

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
acordo-online-negociacao-aperto-maos

Plataformas de ODR agilizam conciliação online e facilitam acordos entre as partes

Daniel Marques, diretor executivo da AB2L fala para a Conjur
jus-gif-2

PNUD e Jusbrasil assinam parceria para pesquisas sociais no Brasil

O Jusbrasil assinou uma nova parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no intuito de ampliar as ações relacionadas ao cumprimento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de número 16
Man and wooden cubes on table. Management concept

Soft skills para advogados: descubra as 12 habilidades essenciais para crescer na advocacia

O que são soft skills, porque elas são importantes e quais são as principais para os advogados.
Captura de tela 2022-09-19 173216

Judicialização das relações de consumo: ruim para empresa e cliente

A judicialização tem custos sociais, financeiros e na credibilidade das empresas. A busca pelo consenso, principalmente através do bom atendimento, foi tema de painel no Conarec 2022
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.