Autoridades sul coreanas enfrentam novos obstáculos no comércio de Bitcoin

Publicado em
julia-roberts-2639315_1920

O governo sul coreano está considerando uma série de opções políticas para conter o que chamou de “superaquecimento especulativos das moedas virtuais”, incluindo uma possível taxa sobre ganhos de capital nos negócios.

Em uma declaração publicada na última quarta-feira,13, pela coordenação de políticas governamentais, autoridades do Ministério da Justiça, Comissão de serviços Financeiros, Comissão de Comunicadores da Coreia, Comissão da Feira Comercial e Ministério da Informação e Comunicação, estabeleceram possíveis abordagens políticas – sujetas à aprovação legislativa – para o mercado crescente de criptomoedas no país. A Reuteus relatou, em primeira mão, os desdobramentos.

O movimento talvez não seja uma surpresa, dada a significativa importância comercial da Coreia – a criptomoeda Bithumb é uma das maiores do mundo em volume de negócio. E o fato do preço do Bitcoin cruzar a linha dos $10 mil no final do mês passado.

Opções particularmente relevantes incluem a imposição de uma taxa fiscal e a proibição de negociantes estrangeiros. Essas questões da tributação está em aberto e a declaração sugere que a entrada do setor privado será solicitada além da possível adoção de abordagens utilizadas por outros governos – o sistema de imposto de renda dos EUA taxa o Bitcoin como uma forma de propriedade, por exemplo – são consideradas como positivas.

Verificação de segurança para transações com Bitcoin e outras criptomoedas

As trocas de criptomoedas da Coreia do sul também estarão sujeitas às verificações de segurança cibernética – particularmente na área de roubo e perda de dados – se as medidas forem aprovadas. Além disso as trocas que excedam mais de $ 10 milhoes de won no comércio diário e mais de $ 1 milhão por usuário, será requerido uma aprovação da Korea Information Security Agency.

O governo também considera impor um banimento formal sobre ICOs, medida que firmaria a proibição do modelo de financiamento de blockcahin implementado pelo Financial Services Commission, neste outono. O comunicado também sugere que medidas contra esquemas de marketing multinível, ou marketing de rede, que envolvem moedas digitais também podem ser incluídos.

Medidas adicionais para a discussão incluem severas restrições ao uso ilegal do espaço industrial para mineração de Bitcoin e a proibição de transações para menores de idade, de acordo com o texto.

Dito isto, autoridades observam e concluem a declaração oficial afirmando que o governo não pretende criar barreiras ao desenvolvimento em torno do bitcoin, mesmo que se mova para brecar as atividades de câmbio.

“Além do mais, nós continuaremos retificando a vertente especulativa das criptomoedas, mas faremos um esforço de política equilibrada para garantir que as medidas governamentais não impeçam o desenvolvimento de tecnologias como o blockcahin”, relatou o comunicado oficial.

 

Por Camila Marinho

Fonte: CoinDesk

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
BGC

Streamers gamers apostam em um novo nicho: eventos proprietários

Brasil movimentará US$ 2,7 bi em negócios relacionados a games em 2022
carreira_profissoesdofuturo_24022021_Marko-Geber_GettyImages-3-768x512

No pain, no gain: tentativa e erro devem fazer parte da cultura das empresas da era digital

Atualmente as empresas procuram desencadear transformações digitais e se beneficiar de infraestruturas escaláveis e ágeis
acordo-online-negociacao-aperto-maos

Plataformas de ODR agilizam conciliação online e facilitam acordos entre as partes

Daniel Marques, diretor executivo da AB2L fala para a Conjur
jus-gif-2

PNUD e Jusbrasil assinam parceria para pesquisas sociais no Brasil

O Jusbrasil assinou uma nova parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no intuito de ampliar as ações relacionadas ao cumprimento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de número 16
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.