As melhores empresas para as mulheres trabalharem no Brasil em 2021

Publicado em
As melhores empresas para as mulheres trabalharem no Brasil em 2021
Imagem: Reprodução

Mercado Livre, Dell Technologies e Johnson & Johnson são as melhores grandes empresas para mulheres trabalharem no Brasil. Entre as médias, Bristol Myers Squibb, Stryker do Brasil e Resultados Digitais aparecem entre as primeiras colocadas. É o que mostra a 5ª edição brasileira do prêmio GPTW Mulher, elaborado anualmente pela consultoria Great Place To Work.

O ranking reconhece empresas com as melhores práticas em relação à inclusão e ascensão de mulheres à liderança. Elas devem ter ao menos 100 funcionários e ser certificadas pelo GPTW. A edição deste ano contou com 641 empresas inscritas e premiou as 70 melhores, sendo 35 de porte grande e 35 de porte médio. A premiação ocorreu virtualmente nesta quinta-feira (24/05).

Nessas companhias, as mulheres representam em média 52% dos funcionários, o mesmo percentual registrado na edição de 2020. A representatividade é de 44% na liderança geral e 26% na alta liderança – no ano passado, os percentuais eram de 41% e 32%, respectivamente. Apenas 13% das empresas têm mulheres no cargo de CEO, e elas ocupam 28% das posições em conselhos de administração.

Mesmo entre empresas bem-posicionadas, o levantamento identificou questões que ainda precisam ser solucionadas. As mulheres que ocupam cargos na alta liderança ganham, em média, 15,8% a menos do que os homens. A diferença é de 18,8% em outros níveis de liderança e 1% em outros cargos.

Segundo Daniela Diniz, diretora de Conteúdo e Relações Institucionais do GPTW Brasil, a 5ª edição do prêmio trouxe avanços significativos. “Antes, as ações [em prol das mulheres] eram isoladas e pontuais. Hoje, vemos empresas mais estruturadas”, diz ela. Mas há questões a serem melhoradas, como a participação e a remuneração. “Essa não pode ser uma agenda do RH e nem do marketing. Precisa fazer parte da cultura da empresa, e isso demanda tempo, energia e boa vontade”, avalia.

Texto original publicado pela Época Negócios

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
Área jurídica busca reduzir defasagem no meio virtual

Área jurídica busca reduzir defasagem no meio virtual

Profissionais passam por uma reciclagem para atender às novas demandas
Mais de 30% dos fundadores de startups brasileiras já empreenderam

Mais de 30% dos fundadores de startups brasileiras já empreenderam

Levantamento realizado pela Distrito e a Maya Capital também constatou que 66,8% dos empreendedores já estavam inseridos no ecossistema.
‘Estar na lista das 100 Startups to Watch ajudou a Incentiv.me a captar R$ 10 milhões’

‘Estar na lista das 100 Startups to Watch ajudou a Incentiv.me a captar R$ 10 milhões’

Cofundadora da startup, que é associada AB2L, diz que visibilidade tem sido fundamental para o crescimento da empresa. A edição deste ano está com inscrições abertas.
O poder da animação 3D na área jurídica

O poder da animação 3D na área jurídica

Impulsionado nos dois últimos anos no Brasil, o uso de animação 3D na área jurídica pode oferecer alternativas para solucionar pontos problemáticos na comunicação com juízes e jurados
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.