Artigo jurídico brasileiro sobre divórcio cita a tecnologia blockchain

Publicado em
Blockchain

Mário Luiz Delgado é doutor em Direito Civil pela Universidade de São Paulo e José Fernando Simão é diretor do conselho consultivo do Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM). Ambos são autores de um artigo jurídico que trata sobre divórcio unilateral e cita a tecnologia blockchain.

O artigo foi publicado no portal Consultor Jurídico no dia 19 de maio e começa discorrendo sobre como as rápidas mudanças ocorridas na sociedade relacionadas a gênero e organização familiar têm impactado o Direito da Família.

Nesta toada, a publicação passa a versar sobre o instituto do “divórcio impositivo” ou “divórcio direto por averbação”. Por meio dele, defende-se a possibilidade de atribuição do pedido de divórcio a um só dos cônjuges, feito no cartório onde foi registrado o casamento.

Feitas as devidas considerações sobre a relação entre Estado e relações privadas, além de um juízo sobre a possibilidade do divórcio ser feito sem adentrar a via judicial, o artigo faz uma interessante menção à tecnologia blockchain. Defendendo o direito privado de desfazer um vínculo matrimonial sem afetar os direitos dos cônjuges, os autores declaram:

“Em suma, qualquer restrição ao provimento [de divórcio em cartório sem acionar o judiciário] denota falta de percepção com novos tempos. Em momento em que o blockchain assume cada vez mais protagonismo na vida do cidadão comum, impedir que haja declaração unilateral de divórcio é negar a natureza das coisas.”

Note-se que a blockchain é citada como algo “do futuro”, sendo sua incursão na vida do cidadão comum algo positivo. Saliente-se ainda que o texto indiretamente faz alusão à tecnologia ser um meio viável de registro, ao associá-la com uma declaração unilateral de divórcio que dispensa o sistema judiciário.

Tais pontos são notados no trecho seguinte, que encerra o artigo:

“O sistema mudou porque os tempos são outros. Cabe, agora, citando Harari, a decisão de insistirmos com carruagens ou aceitarmos que já existe nas ruas um carro que não necessita de motorista, sob pena de sobreviveremos à seleção natural.”

É positivo ver a blockchain ser mencionada em um artigo jurídico por dois motivos: o primeiro é a visibilidade, visto que nomes importantes da esfera jurídica brasileira não só conhecem, como também mencionam a tecnologia como um desenvolvimento benéfico; o segundo é o fato de criar um lastro para a discussão da regulamentação da blockchain no ordenamento jurídico, uma vez que a eficiência e validade dos arquivos nela registrados ainda não foram reconhecidas por lei.

Por: Cripto Fácil

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
_113967234_hi031081850

Em resposta ao ChatGPT, Google planeja lançar 20 projetos de inteligência artificial em 2023

A empresa queria ir devagar, mas a ameaça externa da OpenAI acelerou o planos
Captura de tela 2023-01-27 094937

Cinco tendências de tech e ESG apresentadas em Davos

Diversidade e inclusão foram alguns dos principais destaques do relatório sobre o cenário atual do mercado global de tecnologia, lançado durante o Fórum Econômico Mundial
Captura de tela 2023-01-27 094517

“Não há falta de dinheiro para startups”, diz cofundador da Liga Ventures

Guilherme Massa explica que os desafios têm relação com um tempo maior de decisão dos investidores baseado no momento econômico e na busca por retorno
Face recognition AR hologram screen  smart technology

O chat GPT: o que o novo oráculo de delfos tem a dizer aos advogados?

O grande diferencial da ferramenta, como toda ferramenta tecnológica inovadora, será no modo como é utilizada para extrair os benefícios da mesma.
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.