‘Aponte a câmera’: com a pandemia, cardápio migrou para o QR Code

Publicado em
‘Aponte a câmera’: com a pandemia, cardápio migrou para o QR Code

Primeiro vieram os códigos de barras. Para saber o valor de algum produto sem etiqueta num supermercado, bastava procurar uma maquininha em pilastras ou nas prateleiras, “mostrar” as tais listrinhas ao sensor e ver na tela quanto aquilo custava. Outros, para tentar a sorte, davam-se ao trabalho de cortar os códigos das embalagens para enviá-los pelos Correios. As listras podiam render um caminhão de prêmios.

A pandemia mudou de vez esse jogo. As barras evoluíram e agora o até então discreto QR Code — tipo de código bidimensional, de resposta mais rápida — tornou-se protagonista. Ninguém dava muito por ele até 2020. Agora, ele está por toda parte. Através do quadradinho de pontos pigmentados, é possível chegar a endereços de site, e-mail, contatos telefônicos e arquivos ou fazer pagamentos e até andar de metrô e trem. Basta apontar a câmera do celular para a imagem que logo aparece um link a ser clicado.

Se antes servia para a publicidade apresentar produtos ou para telespectadores brincarem de interatividade, mirando o celular para a tela, com as regras de distanciamento o QR Code passou a beneficiar também os comerciantes. Em bares, lanchonetes e restaurantes, o cardápio impresso foi abolido para evitar contaminação. O menu de se pegar com as mãos foi substituído por versões digitais.

A volta lenta à “normalidade”, enquanto os índices da pandemia enfraquecem, vai revelando novos hábitos e costumes para o dia a dia. Durante um passeio por São Paulo, é fácil perceber a mudança. Num restaurante na região central da cidade, um adesivo com o QR Code colado nos cantinhos das mesas mostra que há algo diferente por ali. “O cardápio é online, tá?”, explicava, na quinta-feira (14), o garçom João Miguel, 32, assim que se aproximou para o atendimento e entregou um saco de papel para guardar a máscara.

É na tela do celular que os clientes consultam as opções de pratos, bebidas e sobremesas. Depois de escolher, informam a ele o que querem. “Às vezes o celular da pessoa não funciona. Mas nós temos um celular do restaurante, que pegamos e emprestamos ao cliente. Ou, se o problema for internet, a gente passa o login e a senha do wi-fi“, conta o funcionário.

A funcionalidade foi instalada no estabelecimento desde a primeira flexibilização do Plano São Paulo, em julho de 2020, quando o governo permitiu a reabertura de restaurantes mediante restrição de capacidade de público e de horário de funcionamento.

Olhar o cardápio, algo que antes era parte do ritual dos encontros em uma mesa com amigos, familiares e paqueras, ficou algo mais individual. É mais difícil apontar as opções, comentar os ingredientes e até escolher junto, enquanto se olha o menu. Nesse caso, o digital “esfriou” o clima do analógico.

A saída, aparentemente, é não deixar que a relação no atendimento se torne distante. “Com alguém que tenha mais dificuldade com a tecnologia, a gente também ajuda. Eu mesmo abro o cardápio no meu próprio celular”, diz Miguel. Se mudou para o cliente, mudou também para o garçom? “Olha, no nosso caso, a gente fala mais sobre o cardápio”, afirma. “Explicamos melhor as opções, tiramos dúvidas. E é bom também, porque decoramos mais facilmente as informações.”

Naquela mesma tarde, num outro restaurante do Jardim Paulista, bairro da zona oeste, a garçonete Ione Maria, 34, confirmava o que João Miguel dizia. Em seu trabalho, o QR Code também virou regra desde o início da pandemia, com uma diferença: o impresso ainda existe. “A gente usa o cardápio em papel quando é uma pessoa mais velha ou quem não tem muita familiaridade com a tecnologia. Aí a gente entrega”, conta.

A versão digital do restaurante de Ione é mais clássica. Em vez de um cardápio criado especificamente online, como o do restaurante onde João Miguel atende, o dela é um arquivo em formato pdf, disponível numa espécie de pasta virtual (mais bonito, com imagens, porém menos funcional). Ainda assim, explica a atendente, “tudo ficou mais prático”.

‘Fluxo de consumo’

O sistema comercial com QR Code é um dos negócios de Nérope Bulgareli, CEO da Zigpay. Inaugurada em 2017, a empresa fornecia mecanismo de informatização para substituir fichas de papel em eventos. Com a pandemia, decidiu ampliar o escopo. “A gente sentou e conversou com toda equipe de produção para criar um fluxo de consumo onde a pessoa consiga chegar ao estabelecimento, sentar, pedir, pagar, comer e ir embora, sem dirigir a palavra a ninguém”, explica.

A empresa desenvolveu dois produtos com esse viés. Além de um com todas as etapas de comercialização informatizadas — “fluxo de processo perfeito”, segundo Bulgareli —, eles também disponibilizam o sistema mais comum, híbrido, que inclui a digitalização do cardápio pelo QR Code, mas mantém o atendimento físico. As duas formas serviram como luva, diz ele, tanto para atender à necessidade de distanciamento social quanto para reduzir custos. “Em vez de ter um garçom e um cumim [o auxiliar, que entrega os pratos], pode ter só um deles.”

Cerca de 30 bares e restaurantes em todo o Brasil contrataram os serviços de Nérope Bulgareli. O preço de implementação varia de acordo com o tamanho de cada estabelecimento, mas a empresa dele fatura 5% de cada venda efetuada.

Daqui a pouco, mesmo sem a pandemia, o QR Code vai ser uma prática geral no país, segundo o professor de direito da FGV-RJ (Fundação Getúlio Vargas do Rio) Nicolo Zingales, especialista em regulação da informação e e-commerce. “É um fenômeno”, diz ele. No futuro, ele vislumbra uma relação de compra e venda personalizada, mediada por QR Code. É basicamente substituir aquela conversa com o garçom sobre o tamanho dos pratos e o estilo da cerveja artesanal por um algoritmo do robozinho que já conhece seu gosto.

Zingales alerta que um desafio nessa nova ferramenta é estarmos atentos para o uso indevido dos dados que os restaurantes podem eventualmente colher dos celulares. “É importante estar atento aos links que clicamos.”

Texto original de Mateus Araújo, publicado pelo TAB Uol

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
Soft Skills: O diferencial para as profissões do futuro

Soft Skills: O diferencial para as profissões do futuro

Texto original publicado pela Mediar 360, associada AB2L O que são as Soft Skills? A cada ano que passa,
LDSOFT cresce ainda mais e, agora, faz parte da Vela Software

LDSOFT cresce ainda mais e, agora, faz parte da Vela Software

Lawtech é a oitava aquisição brasileira do grupo Vela Software
Advogados apostam no empreendedorismo e criam legaltechs para automatizar o mundo jurídico

Advogados apostam no empreendedorismo e criam legaltechs para automatizar o mundo jurídico

Startups desenvolvem soluções inovadoras para tornar o setor mais produtivo e eficaz
8 startups que cresceram usando apenas seus próprios recursos

8 startups que cresceram usando apenas seus próprios recursos

Conheça startups que escolheram o bootstrapping para escalar seus negócios: nada de investidores externos
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.