#AB2LnaMídia: Neoway compra startup LegalLabs e abre área de serviços jurídicos

Publicado em
#AB2LnaMídia: Neoway compra startup LegalLabs e abre área de serviços jurídicos
Neoway comprou startup brasileira de LegalTech Foto: Neoway

A startup de inteligência artificial e análise de dados (big data) Neoway vai ganhar mais um setor nesta semana: soluções tecnológicas para a área legal. Chamada de Neoway Legal, a nova área surge após a empresa adquirir a legaltech (startup de serviços jurídicos) brasiliense LegalLabs – a operação, anunciada nesta segunda-feira, 10, foi avaliada em US$ 26 milhões.

Em entrevista ao Estado, Carlos Eduardo Monguilhott, diretor de operações da Neoway, disse que a nova empresa será responsável por lançar produtos focados em agilizar processos judiciais. “A Neoway Legal vai coletar e extrair informações para usar em processos. Vamos tentar prever que tipo de decisão pode ser tomado em cada caso, com base nos nossos arquivos históricos”, disse.

Entre os potenciais clientes, estão empresas que possuem uma grande quantidade de processos parecidos, como bancos e seguradoras. Já a automação dos processos fica por conta de uma ferramenta dotada de big data e inteligência artificial.

“A Neoway Legal vai coletar e extrair informações para usar em processos. Vamos tentar prever que tipo de decisão pode ser tomado em cada caso, com base nos nossos arquivos históricos”, disse.

Entre os potenciais clientes estão empresas que possuem uma grande quantidade de processos semelhantes, como bancos e seguradoras. Já a automação dos processos fica por conta de uma ferramenta dotada de BigData e inteligência artificial.

Para Daniel Marques, diretor executivo da Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs (AB2L), a aquisição faz parte de uma tendência do mercado de startups de direito do País.

“Estamos em um momento em que tanto os fundos de investimento quanto as grandes empresas estão investindo e comprando legaltechs”, disse Marques. “O Direito conseguiu crescer sem tecnologia até pouco tempo, mas o cenário mudou e todo mundo está atrás de startups que tragam essa inovação”.

Caminho para abertura de capital

A aquisição da LegalLabs também faz parte da jornada da Neoway para realizar sua abertura de capital, prevista para acontecer entre o final de 2019 e o início de 2020 – conforme revelou o presidente executivo da Neoway, Jaime de Paula, em entrevista ao Estado em março deste ano. Segundo ele, a empresa está adquirindo outras empresas para ganhar musculatura e abrir novas áreas de operação justamente antes de realizar sua abertura de capital (IPO, na sigla em inglês).

Ainda não está definido, porém, se a catarinense vai abrir capital no Brasil ou nos Estados Unidos – seguindo uma tendência realizada por empresas como Netshoes, Stone e PagSeguro. É ainda bastante possível que, com o IPO, a Neoway se torne mais um unicórnio brasileiro – em relatório divulgado pelo hub de startups Distrito, a catarinense apareceu como candidata a valer pelo menos US$ 1 bilhão, avaliação de mercado que é considerada um marco para o as empresas do setor de tecnologia.

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
Plataformas de ODR agilizam conciliação online e facilitam acordos entre as partes

Plataformas de ODR agilizam conciliação online e facilitam acordos entre as partes

Daniel Marques, diretor executivo da AB2L fala para a Conjur
PNUD e Jusbrasil assinam parceria para pesquisas sociais no Brasil

PNUD e Jusbrasil assinam parceria para pesquisas sociais no Brasil

O Jusbrasil assinou uma nova parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no intuito de ampliar as ações relacionadas ao cumprimento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de número 16
Soft skills para advogados: descubra as 12 habilidades essenciais para crescer na advocacia

Soft skills para advogados: descubra as 12 habilidades essenciais para crescer na advocacia

O que são soft skills, porque elas são importantes e quais são as principais para os advogados.
Judicialização das relações de consumo: ruim para empresa e cliente

Judicialização das relações de consumo: ruim para empresa e cliente

A judicialização tem custos sociais, financeiros e na credibilidade das empresas. A busca pelo consenso, principalmente através do bom atendimento, foi tema de painel no Conarec 2022
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.