AB2L e ITS Rio pedem veto parcial da Lei do Governo Digital: trecho prevê cobrança de dados públicos e dificulta a transparência

Publicado em
AB2L e ITS Rio pedem veto parcial da Lei do Governo Digital: trecho prevê cobrança de dados públicos e dificulta a transparência

A Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs (AB2L) e o Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS Rio), expressaram por meio de uma  nota técnica de 7 páginas, sua preocupação com um trecho da chamada Lei do Governo Digital (PL 317/2021). A AB2L, que representa as empresas de tecnologia especializadas em assuntos jurídicos, indica que o projeto recém aprovado pelo Senado Federal prevê cobranças pelo acesso de dados públicos, práticas que contrariam as recomendações da OCDE e as melhores práticas internacionais.

Admitido no último dia 25, o projeto de lei veio da Câmara dos Deputados, e sem mudanças no Congresso, aguarda sanção presidencial. A AB2L, esclarece acreditar na proposta, mas discorda do art. 29, §3º do PL 317/2021, o classificando como preocupante para todo o setor de tecnologia, inclusive para a transparência das informações a serem prestadas à sociedade.

“Chamamos a atenção para avanços da regulação do Governo Digital no que tange à maior eficiência, celeridade e abertura a dados públicos presente no PL 317/2021, que deve servir para gerar uma melhor infraestrutura pública de dados e permitir inovação dentro de uma economia de dados; e, Insta-se  pelo veto parcial ao PL 317/2021, governo digital, no  que tange ao art. 29, §3º que prevê cobrança pelo acesso a dados públicos.”, resume o documento da associação.

Para a AB2L, o projeto desencoraja o uso de dados abertos, caminho reverso dos objetivos criados pelo Ministério da Economia e de diversos países, citando os exemplares procedimentos adotados em países referência da inovação mundial, como o Estados Unidos e o Canadá.

“O projeto é muito importante e positivo, no entanto, o número inserindo a cobrança é contrário às recomendações da OCDE e a lógica prevalente internacional de uma economia de dados em que dados públicos abertos servem como infraestrutura permitindo o desenvolvimento de inúmeros novos negócios; e desincentiva o uso de dados abertos, caminho reverso de diversos países como Estados Unidos e Canadá que criaram agências públicas que facilitam o acesso a dados públicos”, reforçou Daniel Marques, diretor da AB2L, acrescentando: “Ademais, também viola os princípios constitucionais da livre iniciativa e da livre concorrência”.

Para o ITS Rio, o PL é um avanço significativo no marco regulatório de governo digital, mas o art. 29, §3º do PL 317/2021 coloca em risco a economia e o princípio de publicidade da Constituição. Para Fabro Steibel, Diretor Executivo do ITS Rio, “o Brasil sempre foi liderança na agenda de governo e dados abertos, mas a mudança proposta coloca o Brasil na contramão do que a OECD e a OGP defendem. Na prática, a mudança incentiva o governo a criar um ‘pedágio’ para acesso a APIs de dados públicos. Isso restringe a publicidade de dados abertos, e coloca em risco nosso protagonismo internacional, e a economia”.

O material técnico também aponta como o trecho em questão vai contra os princípios da administração pública ao impor restrições à publicidade, quebrar a impessoalidade ao criar um desequilíbrio para quem tem mais recursos, ter melhor acesso a serviços públicos e obstar a  eficiência ao criar uma nova barreira de acesso.

“Atenta contra os princípios da administração pública (art. 37 Constituição Federal) pois impõe restrições à publicidade, viola a impessoalidade ao criar um desequilíbrio no acesso a serviços públicos em benefício de quem tem mais recursos e atenta contra a eficiência ao criar uma nova barreira de acesso. Inclusive, é contrário ao objetivo de inovação previsto na reforma administrativa proposta pelo Ministério da Economia”, diz o comunicado.

Fonte: Jornal Jurid

COMPARTILHAR
VEJA TAMBÉM
BGC

Streamers gamers apostam em um novo nicho: eventos proprietários

Brasil movimentará US$ 2,7 bi em negócios relacionados a games em 2022
carreira_profissoesdofuturo_24022021_Marko-Geber_GettyImages-3-768x512

No pain, no gain: tentativa e erro devem fazer parte da cultura das empresas da era digital

Atualmente as empresas procuram desencadear transformações digitais e se beneficiar de infraestruturas escaláveis e ágeis
acordo-online-negociacao-aperto-maos

Plataformas de ODR agilizam conciliação online e facilitam acordos entre as partes

Daniel Marques, diretor executivo da AB2L fala para a Conjur
jus-gif-2

PNUD e Jusbrasil assinam parceria para pesquisas sociais no Brasil

O Jusbrasil assinou uma nova parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no intuito de ampliar as ações relacionadas ao cumprimento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de número 16
EMPRESAS ALIADAS

Receba nossa Newsletter

Nossas novidades direto em sua caixa de entrada.