Legal Operations: você sabe como aplicar na sua rotina?

Falar sobre Direito e Tecnologia se tornou comum diante do cenário competitivo em que o mercado  se encontra. O crescimento de legal e lawtechs no Brasil transformou a forma de entrega dos serviços prestados e contratados no ambiente jurídico.

Quando falamos de tecnologia no Direito, ou de como a tecnologia afeta a sociedade como um todo, envolvemos tanto os avanços apresentados por esse novo mundo, quanto a necessidade de adequação para se adaptar a este ecossistema.

O Legal Operations, conceito que vem ganhando cada vez mais espaço no Brasil, surgiu justamente dessa evolução do mercado jurídico, mas você sabe do que ele se trata? Confira o que é e como aplicar o Legal Ops na sua rotina!

O que é Legal Operations?

De modo simples, Legal Operations, também conhecido como Legal Ops,  trata-se da junção de todos os fluxos de atividades fundamentais para um escritório ou departamento jurídico, excluindo as atividades legais, dentro de um único departamento. 

Esse departamento é coordenado por um CLOO (Chief Legal Operations Officer) e atua com o objetivo de otimizar a capacidade de toda a equipe jurídica, visando proteger e expandir cada vez mais a estrutura do negócio. 

Um escritório que possui o departamento de Legal Operations tem, além dele, mais um departamento: o jurídico.

Dentro do Legal Operations as responsabilidades envolvem administração financeira, vendas, gestão de pessoas, tecnologia e processos, comunicação, análise de dados, planejamento estratégico e tantas outras. 

Como Legal Operations ajuda na rotina do advogado?

Segundo o CLOC, Corporate Legal Operations Consortium, órgão que trabalha para tornar o jurídico interno mais eficiente, existem 12 competências em operações jurídicas que são de extrema importância. 

São elas:

  • Business Intelligence;
  • Gestão Financeira;
  • Gestão de Firmas e Fornecedores;
  • Governança da Informação;
  • Gestão do conhecimento;
  • Otimização e Saúde da Organização;
  • Operações Práticas;
  • Gerenciamento de Projetos/Programas;
  • Modelos de Prestação de Serviços;
  • Planejamento Estratégico;
  • Tecnologia;
  • Treinamento e Desenvolvimento.

Dentro de um escritório ou departamento jurídico, estruturar o Legal Operations, seguindo essas competências, remete a montagem de uma equipe que cuidará de todos os recursos e estratégias de modo automatizado.

Deste modo, atuar com um departamento de Legal Operations proporciona à rotina do advogado mais tempo para se dedicar aos seus clientes, fator importante para se diferenciar neste mercado competitivo.

Afinal, cada cliente demanda ações específicas e é de extrema importância dedicar-se profundamente a cada caso. 

Estruturar um departamento de Legal Ops não é uma tarefa simples. É necessário readaptar setores, capacitar as equipes, focar em contratação de perfis multidisciplinares, tentar novas estratégias e ir se adaptando.

Inserir o Legal Operations é uma mudança que trará muitos benefícios para a gestão e eficácia do seu escritório ou departamento jurídico. Para isso, comece avaliando sua organização, os fluxos de atividades, as tecnologias utilizadas, engajamento dos colaboradores.

Alinhe toda essa análise com as 12 competências citadas pelo CLOC e, a partir disso, comece a implementar o Legal Operations e a otimizar a rotina do seu negócio!

Conclusão

Não é novidade que tornou-se necessário deixar o Direito tradicional para trás e abraçar as novidades propagadas pelo Direito tecnológico.

A realidade do Legal Operations é diferenciada e multidisciplinar, o que acaba afastando àqueles que preferem seguir os métodos tradicionalistas de atuação.

Porém, a aplicabilidade torna presente a estratégia voltada para o cliente e a busca pela inserção de mais tecnologias, tudo isso com um único foco: facilitar e transformar, cada vez mais, os serviços jurídicos

Gostou desse conteúdo e quer continuar recebendo novidades do mundo jurídico? Assine nossa newsletter e não perca nada!

Fonte: Advise

Comentários

Comentários